Modelo de Ação de Guarda Compartilhada - de acordo com o Novo CPC

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE XXXXX – PODER JUDICIÁRIO DE XXXXX

[NOME], [ESTADO CIVIL], [PROFISSÃO], residente e domiciliada na Rua XXXXX, nº XXXXX, bairro XXXXX, Município de XXXX (UF) – CEP XXXXX-XX, inscrita no CPF sob o nº. XXX.XXX.XXX-XX, com endereço eletrônico Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , vem, com o devido respeito, à presença de Vossa Excelência, por intermédio de procurador constituído, com fundamento no art. 2º, da Lei nº 11.804/2008 (Lei dos Alimentos Gravídicos) c/c art. 1º e segs., da Lei nº. 5.478/68 (Lei de Alimentos), ajuizar a presente

AÇÃO DE REGULAÇÃO DE GUARDA COMPARTILHADA E CONVIVÊNCIA

contra [NOME], [ESTADO CIVIL], [PROFISSÃO], residente e domiciliada na Rua XXXXX, nº XXXXX, bairro XXXXX, Município de XXXX (UF) – CEP XXXXX-XX, inscrita no CPF sob o nº. XXX.XXX.XXX-XX, com endereço eletrônico Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , em decorrência das seguintes razões de fato e de direito.

 

Clique aqui para ter acesso a um pacote de modelos revisados e atualizados de Direito de Família, com download dos arquivos em formato Microsoft Word (.docx).

 

I. FATOS

As partes são pais de (nome), conforme certidão de nascimento anexa (documento nº XX).

Divorciaram-se consensualmente no ano de XX (documento nº XX), oportunidade em que estabelecida a forma de exercício da guarda e das visitas da filha menor, posteriormente modificada em função de ajuizamento de ação de regulamentação de visitas (documento nº XX).

A necessidade de uma nova ação com o objetivo de regulamentar as visitas se deu por conta de colocados pela genitora para que os termos outrora estabelecidos se efetivassem, o que estava minando a convivência da menor com seu pai e resvalando na alienação parental.

Após a referida ação judicial, a relação entre os genitores melhorou sensivelmente no que concerne à filha, cessando algumas das atitudes nocivas ao relacionamento do pai com a filha. Outras, porém, permanecem, tal como negar que o Autor leve a menor à escola sob a justificativa da genitora pagar transporte escolar.

Portanto, a guarda unilateral é impossível de ser mantida, pois, além da aptidão do genitor em exercer o poder familiar, como adiante será provado, a genitora vem abusando de sua situação de detentora da guarda unilateral.

II. FUNDAMENTOS JURÍDICOS

Conforme dispõe o art. 1.584, inciso II e § 2º, do Código Civil:

Art. 1.584. A guarda, unilateral ou compartilhada, poderá ser:

II – decretada pelo juiz, em atenção a necessidades específicas do filho, ou em razão da distribuição de tempo necessário ao convívio deste com o pai e com a mãe.

§ 2º Quando não houver acordo entre a mãe e o pai quanto à guarda do filho, encontrando-se ambos os genitores aptos a exercer o poder familiar, será aplicada a guarda compartilhada, salvo se um dos genitores declarar ao magistrado que não deseja a guarda do menor.

No presente caso, o genitor tem plena capacidade de exercer o poder familiar, assim o deseja. Além disso, devido ao seu emprego, pode flexibilizar sua rotina para que o convívio com sua filha se dê de forma equilibrada e igualitária em relação à genitora.

A aplicação de referido instituto reforça os laços familiares por meio do esforço conjunto na criação e educação da menor, mantendo a necessária referência materna e paterna, além de reduzir as possibilidades de alienação parental, sendo certo que, por tais motivos, a guarda compartilhada protege o melhor interesse da criança.

Como consequência do estabelecimento da guarda compartilhada, pretende o Autor que a convivência com a menor ocorra de forma igualitária, mediante o revezamento semanal de lares, nos termos do art. 1.583, § 2º, do Código Civil, que determina o seguinte:

Art. 1.583. A guarda será unilateral ou compartilhada.

§ 2º Na guarda compartilhada, o tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, sempre tendo em vista as condições fáticas e os interesses dos filhos

Quanto ao tema, leciona Conrado Paulino da Rosa:

“Imperioso ressaltar, nessa esteira, que guarda e convivência são institutos distintos. Embora comumente confundidos, o primeiro diz respeito ao modo de gestão dos interesses da prole – que pode ser de forma conjunta ou unilateral – e o segundo, anteriormente tratado como direito de visitas, versa sobre o período de convivência que cada genitor terá com os filhos, sendo necessária a sua fixação em qualquer modalidade de guarda”[1].

Frise-se a ciência do genitor quanto à necessidade de cooperação e corresponsabilidade de ambos os pais, não implicando o tempo de convivência que pretende - no qual há período exclusivo de poder parental sobre a menor por tempo preestabelecido - em guarda alternada.

Quanto ao parâmetro a ser adotado em relação à convivência, é entendimento pacífico no Superior Tribunal de Justiça que esta deve se dar de forma conjunta.

“A custódia física conjunta é o ideal a ser buscado na fixação da guarda compartilhada, porque sua implementação quebra a monoparentalidade na criação dos filhos, fato corriqueiro na guarda unilateral, que é substituída pela implementação de condições propícias à continuidade da existência de fontes bifrontais de exercício do Poder Familiar[2]”.

Desta forma, tanto a aplicação da guarda compartilhada quanto o período de convivência que pretende o Autor funda-se no entendimento reiterado dos tribunais, na lei e na doutrina especializada, sempre objetivando o melhor interesse da criança.

Deste modo, o Autor requer a convivência se dê do seguinte modo:

(i) Alternância de lares, de forma que o genitor busque a criança na saída da escola na segunda-feira e a leve diretamente na escola na segunda-feira seguinte, dia em que a mãe a buscará, permanecendo em sua companhia por mais uma semana nestes moldes;

(ii) Natais e ano-novo alternados, mesmo que o feriado seja durante a semana de convivência do outro;

(iii) Nas férias escolares de janeiro permanecer a menor, nos primeiros quinze dias, com quem tiver passado o ano-novo imediatamente anterior e a outra quinzena com o outro genitor; em julho de cada ano passará sempre a primeira quinzena com o pai e a segunda com a mãe;

(iv) No dia dos pais e aniversário do pai, caso não seja na semana em que permanecerá com o genitor, a filha passará na companhia deste e vice-versa;

III. PEDIDOS

Deste modo, o Autor requer o seguinte:

(i) Concessão do benefício da gratuidade da justiça, tendo em vista que o pagamento de custas judiciais comprometeria o sustento do autor – conforme pode ser verificado a partir da comprovação dos três últimos rendimentos;

(ii) A citação da parte Ré, nos termos do inciso I do artigo 246 do CPC, para contestar a presente demanda no prazo legal, sob pena de confissão;

(iii) A intimação do Ministério Público, nos termos do inciso II do art. 178 do CPC;

(iv) No mérito, a procedência da presente ação para que seja deferida a guarda compartilhada nos moldes acima propostos;

(v) A condenação da ré ao pagamento de honorários sucumbenciais, bem como das despesas processuais;

Requer sejam admitidas todas as provas lícitas.

Dá-se à causa o valor de R$ XXX.XX,XX, nos termos do art. 292 do CPC.

[cidade], [dia] de [mês] de [ano].

_______________________

[nome do advogado]

OAB/UF nº XXXX



[1] PAULINO DA ROSA, Conrado. Nova lei da guarda compartilhada. 1 Ed. Saraiva, 2015, p. 65

[2] STJ – Resp: 1251000 MG 2011/0084897-5, Relatora: Ministra NANCY ANDRIGHI, DJ 23/08/2011, T3 – Terceira Turma – Dje 31/08/201


 

Como referenciar este conteúdo

MODELO,. Modelo de Ação de Guarda Compartilhada - de acordo com o Novo CPC. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 25 Out. 2018. Disponível em: www.investidura.com.br/modelos/direito-da-familia/337027-modelo-de-acao-de-guarda-compartilhada-de-acordo-com-o-novo-cpc. Acesso em: 14 Dez. 2018

 

ENVIE SEU ARTIGO