Perguntas sobre Jean-Jacques Rousseau e Emmanuel Kant

- J. J. ROUSSEAU – O CONTRATO SOCIAL -

LIVRO I

CAP. I – ASSUNTO DO PRIMEIRO LIVRO

1 – O que Rousseau pretende investigar na sua obra O contrato social?

R.: Se pode haver, na ordem civil, alguma regra na administração, legítima e segura, que tome os homens como são e as leis tais como podem ser.

2 – Em que condição nasce o homem e como ele se encontra em toda a parte?

R.: Nasceu livre e, em toda parte, encontra-se sob ferros.

3 – a ordem social é um direito que decorre da natureza?

R.: Não, ela está fundamentada em convenções.

CAP. II – das primeiras socieDades

1 – qual é a unica sociedade natural?

R.: A da família.

CAP. III – do direito dos mais fortes

1 – o que é a força?

R.: É uma potência física cujos efeitos não resultam em moralidade.

2 – a moralidade pode resultar da força?

R.: Não.

3 – a palavra direito acrescenta alguma qualidade ao substantivo força?

R.: Não.

4 – é a força que faz o direito?

R.: Não, pois não se é obrigado a obedecer senão às autoridades legítimas.

CAP. IV – dA ESCRAVIDÃO

1 – O HOMEM POSSUI ALGUMA AUTORIDADE NATURAL SOBRE SEU SEMELHANTE?

R.: Não.

2 – UM HOMEM PODE DAR-SE GRATUITAMENTE?

R.: Não, pois um homem que se dá está louco e há, nesse ato de doação, ilegitimidade e nulidade.

3 – UM POVO PODE ESCRAVIZAR-SE POR LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE?

R.: Não, pois o povo estaria louco, e loucura não faz direito.

4 – O QUE SIGNIFICA RENUNCIAR À PRÓPRIA LIBERDADE?

R.: O mesmo que renunciar à qualidade de homem – a humanidade –, aos direitos e aos deveres.

5 – É POSSÍVEL UMA CONVENÇÃO ESTIPULAR DE UM LADO TODA AUTORIDADE ABSOLUTA E, DE OUTRO LADO, A OBEDIÊNCIA SEM LIMITES?

R.: Não, os seres não estão obrigados a nada em relação àquele de quem se tem o direito de tudo exigir.

6 – QUAL A RELAÇÃO ENTRE AS PALAVRAS DIREITO E ESCRAVIDÃO?

R.: Ambas são contraditórias, excluem-se mutuamente, pois far-se-ia um contrato insensato em que um lado só se prejudica e o outro, só se beneficia.

CAP. VI – dO PACTO SOCIAL

1 – O QUE OS HOMENS DEVEM FAZER PARA SE CONSERVAREM?

R.: Formar, por agregação, uma soma de forças que possa arrastá-los sobre a resistência.

2 – QUAL É O PROBLEMA FUDAMENTAL CUJA SOLUÇÃO É DADA PELO CONTRATO SOCIAL?

R.: Encontrar uma forma de associação que projeta de toda força comum a pessoa e os bens de cada associado e, pela qual, cada um, unindo-se a todos, não obedeça portanto senão a si mesmo, e permaneça tão livre quanto anteriormente.

3 – AS CLÁUSULAS DO CONTRATO SOCIAL PODEM SER MODIFICADAS?

R.: Não, a menor modificação torná-las-ia vãs e não efetivas

4 – O QUE ACONTECE QUANDO O CONTRATO SOCIAL É VIOLADO?

R.: Cada indivíduo reentra em seus primeiros direitos e retoma sua liberdade natural, perdendo a conquistada.

5 – AS DIVERSAS CLÁUSULAS DO CONTRATO SOCIAL PODEM SER REDUZIDAS A UMA SÓ?

R.: Sim. Essa cláusula seria a alienação total de cada associado junto com seus direitos, em benefício da comunidade.

6 – QUAIS SÃO OS TERMOS DE UM PACTO SOCIAL?

R.: Cada um de nós em comum põe sua pessoa e toda sua autoridade, sob o supremo comando da vontade geral, e recebemos em conjunto cada membro como parte indivisível do todo.

7 – O QUE PRODUZ ESSE ATO DE ASSOCIAÇÃO?

R.: Um corpo moral e coletivo.

8 – COMO SE CHAMA A PESSOA PÚBLICA FORMADA A PARTIR DA UNIÃO DA VONTADE DE TODOS?

R.: Antigamente, cidade e, hoje, república ou corpo político. Seus membros denominam: Estado, quando é passivo; soberano, quando é ativo; autoridade, quando comparado a seus semelhantes.

9 – COMO SÃO CHAMADOS OS ASSOCIADOS COLETIVAMENTE?

R.: Povo.

10 – COMO SÃO CHAMADOS OS ASSOCIADOS INDIVIDUALMENTE?

R.: Cidadão ou vassalo.

CAP. VII – dO SOBERANO

1 – APÓS O CONTRATO, QUAIS SÃO AS RELAÇÕES QUE OBRIGAM OS INDIVÍDUOS?

R.: Como membro do soberano para com os particulares e como membro do Estado para com o soberano.

2 – O SOBERANO PODE OBRIGAR-SE EM RELAÇÃO A OUTREM?

R.: Não, pois isso implicaria em uma violação ao ato pelo qual o soberano existe.

3 – COMO É CONSTITUÍDO O SOBERANO?

R.: Dos particulares.

4 – OS INTERESSES DO SOBERANO PODEM SER CONTRÁRIOS AOS INTERESSES DOS PARTICULARES?

R.: Não.

5 – O QUE ACONTECE COM AQUELE QUE SE RECUSA A OBEDECER À VONTADE GERAL?

R.: Será forçado a ser livre, pois a recusa à obediência advém do constrangimento do corpo em conjunto.

6 – QUAL É A CONDIÇÃO DO PACTO SOCIAL?

R.: Ao oferecer os cidadãos à pátria, deve-se protegê-los de toda dependência pessoal.

CAP. VIII – dO ESTADO CIVIL

1 – qUAIS SÃO AS MUDANÇAS PRODUZIDAS NO HOMEM A PARTIR DA PASSAGEM DO ESTADO NATURAL AO ESTADO CIVIL?

R.: A substituição, na conduta humana, do instinto pela justiça e a inserção da moralidade às ações.

2 – O QUE O HOMEM PERDE COM O CONTRATO SOCIAL?

R.: Se priva de vantagens recebidas da natureza.

3 – O QUE O HOMEM GANHA NO ESTADO CIVIL?

R.: O exercício e desenvolvimento de suas faculdades, a extensão de suas ideias, o enobrecimento de seus sentimentos e a elevação de sua alma. Ganha, então, a liberdade civil e a propriedade de tudo o que possui.

4 – COMO PODEMOS DISTINGUIR A LIBERDADE NATURAL DA LIBERDADE CIVIL?

R.: A liberdade natural é limitada pelas forças do indivíduo e a civil, limitada pela liberdade geral.

5 – QUAL É A ÚNICA LIBERDADE QUE TORNA O HOMEM SENHOR DE SI MESMO?

R.: A liberdade moral.

6 – O QUE SIGNIFICA OBEDECER AOS IMPULSOS DOS APETITES?

R.: Estar sob condição de escravidão.

7 – O QUE SIGINIFICA A OBEDIÊNCIA À LEI?

R.: A liberdade.

LIVRO II

CAP. I – A SOBERANIA É INALIENÁVEL

1 – A QUEM CABE, COM EXCLUSIVIDADE, DIRIGIR AS FORÇAS DO ESTADO?

R.: À vontade geral.

2 – QUAL É O FIM DA INSTITUIÇÃO DO ESTADO?

R.: O bem comum.

3 – O QUE É A SOBERANIA?

R.: O exercício da vontade geral.

4 – OS HOMENS PREFEREM TRANSFERIR SEU PODER OU SUA VONTADE?

R.: Seu poder; a vontade é intransmissível.

5 – A VONTADE PARTICULAR TENDE EM QUE SENTIDO?

R.: No sentido das preferências.

6 – PARA QUAL SENTIDO SE DIRIGE A VONTADE GERAL?

R.: No sentido da igualdade.

7 – A PARTIR DE QUE MOMENTO O CORPO POLÍTICO ESTARÁ DESTRUÍDO?

R.: A partir do momento em que houver um senhor e, portanto, não houver soberano, devido à promessa do povo de simplesmente obedecer.

CAP. iI – A SOBERANIA É INDIVISÍVEL

1 – POR QUE A SOBERANIA É INDIVISÍVEL?

R.: Porque a vontade geral é a vontade do corpo do povo.

CAP. III – A VONTADE GERAL PODE ERRAR

1 – QUAL É A DIFERENÇA ENTRE VONTADE DE TODOS E VONTADE GERAL?

R.: A vontade geral é sempre reta – ou pelo o tenta ser – e visa o bem de todos, enquanto a vontade de todos vislumbra apenas interesses particulares e é apenas soma dessas últimas vontades.

2 – QUAIS SÃO AS PRECAUÇÕES ADEQUADAS PARA QUE A VONTADE GERAL ESTEJA SEMPRE ESCLARECIDA?

R.: Não haver, no Estado, sociedade parcial e que cada cidadão manifeste apenas o próprio pensamento.

CAP. iV – dOs limites do poder soberano

1 – qual é o principal cuidado que deve ter um estado?

R.: A manutenção de uma força universal e compulsória para mover e dispor cada uma das partes da maneira mais conveniente para o todo.

2 – Por que o poder soberano é absoluto?

R.: Pois, assim como a natureza dá, a cada homem, poder absoluto sobre seus membros, o pacto social confere ao corpo político poder absoluto sobre todos os seus.

3 – por que os empenhos que ligam os homens ao corpo social são obrigatórios?

R.: Porque são recíprocos, de modo que é impossível que se trabalhe pra outrem sem trabalhar para si próprio antes.

4 – quando a vontade geral perde sua retidão natural?

R.: Quando tende a algum objeto individual e determinado, porque não há, assim, princípio de equidade.

5 – o que generaliza a vontade geral?

R.: É o interesse comum que une as vozes que proclamam a vontade geral.

6 – o que estabelece o pacto social?

R.: Estabelece igualdade entre os cidadãos, coloca todos sob as mesmas condições e faz com que todos usufruam dos mesmos direitos.

7 – o que é um ato de soberania?

R.: É uma convenção do corpo com cada um de seus membros que tem por base o contrato social.

8 – o soberano pode passar dos limites das convenções gerais?

R.: Não.

CAP. Vi – da lei

1 – como se concede movimento ao corpo político?

R.: Pela legislação.

2 – por que são vãs as leis da justiça entre os homens?

R.: Pois inexistem sanções e fazem o bem do perverso e o mal do justo.

3 – o que é necessário para unir os direitos aos deveres dos homens?

R.: Convenções e leis.

4 – o que é uma lei?

R.: É o ato do povo que consiste na generalização da matéria sobre a qual se estatui.

5 – o que quer dizer que objeto das leis é sempre geral?

R.: Considera os vassalos em corpo e ações como sendo abstratas – jamais um homem como indivíduo ou uma ação como particular.

6 – a quem compete fazer as leis?

R.: À vontade geral.

7 – uma lei pode ser injusta?

R.: Não, pois ninguém é injusto consigo mesmo.

8 – por que o homem é ao mesmo tempo livre e sujeito às leis?

R.: Pois as leis são apenas registros de nossa vontade.

9 – o que é uma república?

R.: Todo Estado regido por leis, independente da forma de administração, pois somente assim, o interesse público governa e a coisa pública algo representa.

10 – por que as leis são as condições das assoiciações civis?

R.: Pois compete aos que se associam criar regulamentar as condições da sociedade.

11 – de onde nasce a necessidade de um legislador?

R.: Das luzes públicas – de onde resulta a união do entendimento e da vontade social.

CAP. Vii – do legislador

1 – o que seria necessário para que se descobrissem as melhores regras para a sociedade?

R.: Uma inteligência superior que visse todas as paixões e não provasse nenhuma; que não tivesse nenhuma relação com a natureza humana, mas a conhecesse; que não tivesse a felicidade humana. Enfim, seria necessário um Deus.

2 – o que deve fazer aquele que empreende a instituição de um povo?

R.: Sentir-se com capacidade de alterar a natureza humana; de transformar cada indivíduo; de alterar a constituição do homem. Numa palavra, é preciso que arrebate ao homem as forças que lhe são inerentes, para lhe dar forças estranhas, que ele só pode usar com a ajuda alheia.

3 – quem redige as leis deve ter algum direito legislativo?

R.: Não.

CAP. XII – dIVISÃO DAS LEIS

1 – O que são leis políticas?

R.: São as leis que regulamentam as relações do todo com o todo ou do soberano com o Estado.

2 – O que são leis civis?

R.: São as leis que regulamentam as relações dos membros entre si ou com o corpo inteiro.

3 – O que são leis criminais?

R.: São menos uma espécie de lei que sanções para as outras leis. Porém, tendo-as como lei, são as que levam da desobediência ao castigo.

4 – o que são os usos e os costumes?

R.: São uma espécie de lei da qual o grande legislador, mesmo sem parecer, se ocupa. São renováveis – adquirem novas forças diariamente –, reanimam ou substituem as leis, retém o povo em si e não estão gravas em lugar algum que não no coração de todos.

LIVRO IV

CAP. I – A vontade geral é indestrutível

1 – qual é o estado que necessita de poucas leis?

R.: Um Estado em que numerosos homens se reúnem e formam um corpo só, tendo uma vontade única e relacionada com a vontade geral e o bem-estar comum.

2 – o que acontece quando o vínculo social começa a afrouxar?

R.: Isso, juntamente com o enfraquecimento do Estado e o maior destaque dos interesses particulares, faz com que o interesse comum se altere e encontre opositores; a humanidade não reine mais nos votos; a vontade geral deixe de ser vontade de todos; ergam-se contradições e debates e a melhor opinião não seja aceita.

3 – o que ocorre quando a vontade geral emudece?

R.: O Estado fica próximo de sua ruína e apenas subsiste de uma forma vã, todos deixam de opinar como cidadãos – como se o Estado já inexistisse – e são aprovados, como leis, decretos como único fim é particular.

4 – podemos pensar em debilitamento ou corrupção da vontade geral?

R.: Não, pois ela é sempre inalterável, mesmo subordinada por homens que a subjuguem.

5 – em que consiste a lei de ordem pública nas assembleias?

R.: Em fazer com que a vontade geral seja interrogada e sempre responda.

- Emmanuel kant – doutrina do direito -

introdução à teoria do direito

A - QUE É O DIREITO COMO CIÊNCIa

1 – O QUE É TEORIA DO DIREITO?

R.: O conjunto das leis suscetíveis de uma legislação exterior.

2 – o que é ciência do direito positivo?

R.: Quando a legislação a que se sucedem as leis da teoria do direito existem.

3 – o que é a ciência do direito justo?

R.: É a simples ciência do direito, na falta de um jurisconsulto que conheça as leis exteriores de um modo exterior.

B – o QUE É O DIREITO em si

1 – O QUE É O DIREITO?

R.: O que prescreve ou prescreveu as leis de determinado lugar ou tempo.

2 – o que PERMITE RECONHECER O JUSTO E O INJUSTO?

R.: Deixar à parte os princípios empíricos e buscar a origem dos juízos na razão somente, a fim de estabelecer fundamentos para uma legislação positiva possível.

3 – o que KANT PENSA DA CIÊNCIA PURAMENTE EMPÍRICA DO DIREITO?

R.: Que é como uma cabeça bela sem cérebro.

4 – QUAL A RELAÇÃO ENTRE DIREITO E OBRIGAÇÃO?

R.: A noção de direito relaciona-se à obrigação pela noção moral da última. E, além disso, direito é faculdade de obrigar ao que se opõe ao seu livre exercício.

C – PRINCÍPIO UNIVERSAL DO DIREITO

1 – QUAL É O PRINCÍPIO UNIVERSAL DO DIREITO?

R.: É justa toda ação que, por sua máxima, não constitui um obstáculo à conformidade do arbítrio de todos com a liberdade de cada um segundo as leis universais.

2 – O QUE A MORAL EXIGE DO DIREITO?

R.: Exige que se adote por máximo a conformidade das ações com o direito.

3 – QUAL É A LEI UNIVERSAL DO DIREITO?

R.: Age exteriormente de modo que o livre uso de teu arbítrio possa se conciliar com a liberdade de todos.

D – O DIREITO É INSEPARÁVEL DA FACULDADE DE OBRIGAR

1 – O QUE É INJUSTO?

R.: O que contraria a liberdade.

2 – POR QUE O DIREITO É INSPERÁVEL DA FACULDADE DE OBRIGAR?

R.: Pois, se algum uso da própria liberdade constitui um obstáculo à liberdade, deve haver outra força – que obrigue, portanto – agindo contrariamente ao obstáculo que se impôs. Tal força é o direito.

E – O DIREITO ESTRITO PODE TAMBÉM SER REPRESENTADO COMO A POSSIBILIDADE DE UMA OBRIGAÇÃO MÚTUA INVERSAL, CONFORME COM A LIBERDADE DE TODOS SEGUNDO LEIS GERAIS

1 – QUAL É O OBJETO DO DIREITO?

R.: O que concerne aos atos exteriores.

2 – NO QUE ESTÁ FUNDADO O DIREITO ESTRITO?

R.: O direito estrito está apoiado no princípio da possibilidade de uma força exterior conciliável com a liberdade de todos, segundo leis gerais.

3 – A FORÇA QUE SE ESTENDE A TODOS PODE SUBSISTIR COM A LIBERDADE GERAL?

R.: Sim, pois ela é a única capaz de sujeitar toda a sociedade ao direito, assim também garantindo a liberdade geral.

4 – QUAL A RELAÇÃO ENTRE DIREITO E FACULDADE DE OBRIGAR?

R.: O direito e a faculdade de obrigar são a mesma coisa, visto que seria ineficaz a existência de leis sem que houvesse a possibilidade de coagir a população ao seu cumprimento.

5 – O QUE É DIREITO EM SUA EXPOSIÇÃO NUMA INTUIÇÃO A PRIORI?

R.: A lei de uma obrigação mútua que se conforma necessariamente com a liberdade de todos é a construção de uma noção do direito, ou seja, sua exposição numa intuição pura a priori.

6 – QUAL O FUNDAMENTO PURAMENTE FORMAL – A PRIORI – DESSA CONSTRUÇÃO DO DIREITO?

R.: O fundamento para a construção do direito, a priori, é a noção de uma obrigação igual, mútua, universal, em conformidade com a noção de direito e submetida a uma regra geral.

DIREITO PÚBLICO

SEÇÃO I – DO DIREITO DE CIDADANIA

1 – O QUE É DIREITO PÚBLICO?

R.: É o conjunto das leis, as quais exigem uma promulgação geral para produzir um estado jurídico.

2 – o que é um povo?

R.: Uma multidão de homens, que reunidos sob uma lei única exercem, uns sobre os outros, influência mútua.

3 – o que é o estado civil?

R.: É o estado jurídico onde os homens do povo exercem influência uns sobre os outros e estão sob uma influência única – a da constituição –, a fim de serem partícipes no direito.

4 – o que é a coisa pública?

R.: É o sentido mais amplo de cidade – civitas –, onde se reúnem os cidadãos pelo seu interesse comum e por um estado jurídico.

5 – o que é uma nação?

R.: É um povo em relação ao outro.

6 – como se divide o direito das nações?

R.: Em direito das gentes e direito cosmopolítico ou de cidadão de mundo.

7 – podemos tomar da experiência o fato de que os homens têm por máxima a violência?

R.: Certamente não tomamos da experiência que os homens tenham por máxima a violência e que sua maldade os leve inevitavelmente a se fazer guerra antes de haver constituído um poder legislativo exterior.

8 – como descreve a ideia racional a priori de um estado não jurídico?

R.: Tal ideia implica na falta de total falta de segurança contra a violência antes da reunião dos homens em povos, e desses em estados, e desses em nações.

9 – qual é o primeiro princípio que deve ser decretado se o homem não quer renunciar a todas as suas noções de direito?

R.: Preciso sair do estado natural, no qual cada um age em função de seus próprios caprichos, e convencionar com todos os demais em submeter-se a uma limitação exterior, publicamente acordada, determinada pela lei, e assim, entrar em um estado civil.

10 – como kant caracteriza o estado de natureza?

R.: Não é necessariamente um estado de injustiça, mas de justiça negativa, no qual não há juiz competente para julgar uma sentença legítima. E a passagem desse estado para uma sociedade juridicamente organizada não é uma necessidade, mas sim um dever.

11 – por que no estado civil se DÃO as condições necessárias para a execução da lei natural de conformidade com a justiça distributiva?

R.: No estado civil se dão as condições necessárias para a execução da lei natural da conformidade com a justiça distributiva, pois ele tem as leis que as garantem.

12 – o que é, para kant, a cidade em ideia?

R.: A cidade em Idéia é aquela que segue os moldes dos princípios do direito puro, caracterizada por leis que surgem espontaneamente da vontade em geral da noção de direito exterior.

13 – quais são os poderes que uma cidade encerra?

R.: O poder soberano, na pessoa do legislador; o poder executivo, na pessoa do governador; e o poder judicial, na pessoa do juiz.

14 – quem são os cidadãos?

R.: Os membros reunidos da sociedade civil para legislação, que possuem atributos jurídicos: a liberdade legal não obedecer a nenhuma outra lei além daquelas que a tenham dado seu sufrágio, igualdade civil e o atributo da independência civil.

15 – quem são os membros ativos de uma sociedade?

R.: Os membros ativos são aqueles que dependem tão-somente da sua própria vontade (proprietários e funcionários do governo); são os únicos que podem participar da formação das leis.

16 – quem são os cidadãos passivos?

R.: Já os cidadãos passivos são aqueles que dependem de outros, como os empregados. Os passivos não participam da formação do estado, são simplesmente associados civis.

17 – a dependência dos cidadãos é oposta ao princípio da liberdade?

R.: Não.

18 – a dependência dos cidadãos é oposta ao princípio da igualdade?

R.: Não. As leis não privilegiam e nem prejudicam nenhum segmento da sociedade: todos são iguais e livres perante a lei e nenhuma lei pode contrariar o princípio da liberdade.

19 – qual é o direito que não pode ser negado aos cidadãos dependentes?

R.: Que trabalhem para elevar sua condição: de cidadãos passivos para ativos.

20 – o que é contrato primitivo?

R.: É o ato pelo qual o povo se institui em uma cidade, bem como a própria ideia desse ato – segundo a qual se pode unicamente conceber a legitimidade do próprio ato.

21 – o homem na sociedade sacrifica parte de sua liberdade?

R.: Não, ele não sacrifica parte de sua liberdade natural, mas abandona-a para encontrar sua liberdade a dependência legal no estado jurídico, que é oriunda da sua vontade legislativa própria.

22 – como kant define a vontade do legislador, o poder executivo e a sentença do juiz supremo?

R.: A primeira é irrepreensível; a segunda, é irresistível; e a terceira, é sem apelação.

23 – quem é o governador do estado?

R.: É a pessoa – moral ou física – que está investida do poder executivo.

24 – quem é o legislador?

R.: É o agente do Estado, incumbido de fazer as leis.

25 – quem é o juiz?

R.: Concidadãos do povo livremente eleitos e representantes do povo para julgar às controvérsias.

26 – quais são os três poderes através dos quais uma cidade tem sua autonomia?

R.: Legislativo, executivo e judiciário.

dos efeitos jurídicos que derivam da natureza da associação civil

SEÇÃO I

1 – como kant caracteriza a origem do poder supremo?

R.: Inescrutável. Isto é, o povo não deve raciocinar sobre sua origem, devendo somente respeitá-la; não pode nem deve julgar de outra maneira senão daquela que agrade ao poder soberano existente.

2 – para kant, devemos questionar se houve – ou não – um contrato primitivo?

R.: Não, pois mesmo sendo disputas vãs para o povo, são perigosas para o Estado.

3 – pode haver, na constituição, algum artigo que conceda o direito do súdito de se opor ao soberano?

R.: Não pode haver nenhum artigo na constituição que conceda o direito do súdito de se opor ao soberano no caso de esse violar a constituição, pois aquele que reprime deve ter pelo menos o poder daquele que é reprimido. E uma constituição que exigisse um freio do poder executivo seria vã. Como o soberano acumula mais poderes que os súditos, não é possível contrariá-lo.

4 – qual é a razão do dever do povo de suportar até o abuso do poder soberano?

R.: O fato de que a sublevação contra o poder legislativo soberano sempre deve ser considerada como contrária à lei, e mesmo subversiva de toda constituição legal.

Pois o estado jurídico somente se dá pela submissão à vontade legislativa. Não permitindo assim rebeliões nem sedições contra a pessoa do soberano, mesmo ocorrendo abusos de poder.

5 – como pode ocorrer a alteração de uma constituição pública?

R.: Através do soberano, por meio de uma reforma – e não do povo.

6 – para que se reúne a vontade universal do povo?

R.: Reúne-se a fim de conservar a sociedade, que se submete ao poder público interno, já que os membros dessa sociedade não bastam a si mesmos.

7 – o que tem, por objeto, o do direito do soberano no estado?

R.: O direito do soberano tem por objetivo a manutenção dos salários através da distribuição dos empregos, a conservação da dignidade dos súditos, e o direito de punir.

8 – no estado, algum homem pode carecer de toda dignidade?

R.: Em um estado homem nenhum pode carecer de toda dignidade, pois teria ao menos a dignidade de cidadão, dado que dignidade é a faculdade de estar sujeito apenas a uma lei da razão, está associada à responsabilidade de cada um. Conclui-se então que a ausência de cidadania implica a ausência de dignidade.

9 – alguém, por meio do contrato, pode obrigar-se a uma dependência pela qual deixe de ser uma pessoa?

R.: Ninguém, por meio de contrato, pode obrigar-se a uma dependência pela qual deixe de ser uma pessoa; porque somente na qualidade de pessoa pode-se contratar.

SEÇÃO II – DO DIREITO DAS GENTES

1 – QUAIS SÃO OS ELEMENTOS DO DIREITO DAS GENTES?

R.: São: 1º) que as cidades, os Estados considerados em suas relações mútuas externas estão naturalmente num estado não-jurídico; 2º) que este é um estado de guerra, ainda que não haja na realidade sempre guerra e hostilidade; essa condição é injusta e os Estados limítrofes são obrigados a sair delas; 3º) que é necessário que haja um pacto internacional concebido segundo a ideia de um contrato social primitivo e pelo qual os povos se obriguem respectivamente a não se imiscuírem nas discórdias internas de uns e outros, porém, garantindo-se mutuamente dos ataques estrangeiros; 4º) que a aliança não deve supor nenhum soberano, mas somente uma federação, que pode ser renovada e renunciada.

2 – o que provoca a lesão ativa de povo contra outro?

R.: Dá, ao povo lesado, o direito de fazer guerra contra o primeiro, que visa exigir satisfação e usar represália, sem uso de vias pacíficas.

3 – o que é o direito depois da guerra?

R.: É o que consiste no seguinte: o vencedor impõe as condições sob as quais costumam ser celebrados os tratados e a paz com os vencidos, e não as condições que poderiam resultar de não sei que direito fundado na lesão pela qual entendia ter sido atingido, porém apoiado principalmente em sua força.

4 – o que é o direito da paz?

R.: É o direito da neutralidade, o direito de garantia e a união mútua para a garantia de vários Estados, para defesa em comum.

5 – qual é o fim último de todo direito das gentes?

R.: A paz perpétua.

SEÇÃO III – DIREITO COSMOPOLÍTICO

1 – COMO KANT DEFINE A IDEIA RACIONAL DE UMA COMUNIDADE PACÍFICA PERPÉTUA?

R.: Como um princípio de direito, visto que a natureza colocou todos sob o mesmo espaço, do qual ninguém é dono, mas em que todos são convidados a viver.

2 – O QUE É O DIREITO COSMOPOLÍTICO?

R.: É a convivência pacífica de todos os povos em torno de leis universais de seu comércio possível.


PDFImprimirE-mail Seção: Resumos
Categoria: Teoria Política

Como referenciar este conteúdo

ANôNIMO,. Perguntas sobre Jean-Jacques Rousseau e Emmanuel Kant . Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 31 Ago. 2010. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/resumos/teoria-politica/168466. Acesso em: 27 Ago. 2014

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Apoiadores

Publicidade