Feliz dia do professor

Comemora-se em quinze de outubro do Dia do Professor no Brasil e, o motivo advém do Brasil do Primeiro Império pois em 15 de outubro de 1827, é o dia consagrado à educadora Santa Teresa de Ávila[1], e o Dom Pedro I[2], o Imperador do Brasil exarou decreto que impôs o Ensino Elementar no Brasil e, assim "todas as cidades, vilas, vilarejos e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras. Já se cogitava sobre a descentralização do ensino, sobre o salário dos mestres, das disciplinas básicas que todos os alunos deveriam aprender e até mesmo sobre como os professores deveriam ser contratados.

Após cento e vinte anos do referido decreto imperial, um professor paulista teve a boa ideia de transformar a data em feriado, tornando-se uma tradição de homenagear os professores na data, em referência ao Decreto de Dom Pedro I. Em verdade, a ideia surgiu devido ao período letivo do segundo semestre escolar ser demasiadamente longo, pois ia de primeiro de junho até quinze de dezembro, tendo somente dez dias de férias em todo o período.

Apenas a partir dos anos 1930 houve o surgimento de grupos escolares e foi que o ensino público gratuito passou a se organizar e atender maior número de alunos. Nessa época, o Poder Público passou a se responsabilizar efetivamente pela educação das crianças. Assim, houve a expansão e interiorização dos grupos escolares e as primeiras escolas de formação superior de professores em licenciaturas.

E, por estarem exaustos, pequeno grupo de quatro educadores liderados por Samuel Becker, teve essa ideia de instituir um dia de folga para os professores. Também serviria como ocasião para se analisar e refletir sobre os rumos do restante do ano letivo.

A sugestão fora muito bem recepcionada e a comemoração obteve a maciça presença de docentes e discentes que levavam doces e quitutes saborosos para a confraternização. No discurso de Becker[3] além de ratificar a data como encontro anual, ficou famoso pela frase: “Professor é profissão. Educador é missão”[4].

A celebração foi um sucesso e espalhou-se por todo Brasil e, reprisada nos anos seguintes, até quer fora finalmente formalizada pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963, onde se definiu e consagrou que para comemorar condignamente o Dia do professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e famílias.

Com a Primeira Guerra Mundial, a escola e escolarização sofreram grandes impactos. E há um grande questionamento sobre a escolarização em massa. E, como solução surgiu o movimento Escola Novista[5] que buscou criar condições, a partir da educação para a guerra e seus horrores não voltassem mais a ocorre no mundo. Seus principais representantes foram Dewey[6], Freinet e Fröebel[7].

Com o pós-guerra, os projetos educacionais se baseavam em dois eixos, a saber: procura do desenvolvimento econômico inscrito no progresso das descobertas tecnológicas e científicas e, ainda, o compromisso do Estado-Providência com a redistribuição das riquezas entre as diversas classes da sociedade.

Somente no final do século XX que se erigiu a exigência de formação superior passa a ser feita também para os anos iniciais de escolarização e que a educação infantil[8] entrou no objetivo da formação de pedagogos. Essa mudança trouxe uma grande transformação no cenário educacional.

Outro ponto de destaque da profissão é a presença massiva de mulheres. Lembrando que inicialmente, o sistema escolar previa a separação de alunos por sexo, havendo escolas masculinas (voltadas para uma gama de conhecimentos mais ampla), com docentes masculinos; e as escolas femininas com professoras. A reconfiguração de escolas mistas só ocorreu na virada do século XX e, ainda assim, por muitos anos, ainda persistiu a divisão das escolas secundárias e dos internatos educacionais masculinos e femininos.

No dia 05 de outubro é celebrado o Dia Mundial do professor, essa data fora instituída pela UNESCO, com o objetivo de enaltecer a relevância do professor, baseada nas prioridades estratégicas de elevar a qualidade docente e preencher a carência de professor no mundo. Nota-se igualmente, que nessa mesma data, se comemora o Dia de Santa Tereza D'Ávila, a padroeira dos professores.

Uma curiosidade, o dia do professor é comemorado em datas diferentes ao redor do mundo. Na Argentina é comemorado no dia onze de setembro, no Paraguai é comemorado no dia trinta de abril, no Chile no dia dezesseis de outubro, no Uruguai é comemorado em vinte e dois de setembro, no México é comemorado no dia quinze de maio, na Índia é comemorado no dia cinco de setembro, na Tailândia é comemorado em dezesseis de janeiro, na Bolívia é comemorado no dia seis de junho, em Hong Kong é comemorado em dez de setembro bem como na China.

A UNESCO estima atualmente que exista uma escassez de professores em relação ao número de crianças e jovens que necessitam de educação. Em 2015 faltariam, pelo menos 5,24 milhões de professores para cumprir essa demanda.

Por isso, mais do que nunca, precisamos comemorar o dia do professor, valorizá-lo e, principalmente incentivar que os jovens venham se unir em prol da evolução da humanidade.

Referências:

CARDIM, Paulo. Professor é profissão. Educador é missão. Disponível em:  http://www.belasartes.br/diretodareitoria/artigos/professor-e-profissao-educador-e-missao Acesso em 15.10.2018.

CHARÃO, Cristina. A história da constituição da profissão docente no Brasil ajuda a entender como chegamos ao quadro de desprestígio atual. Disponível em:  http://www.revistaeducacao.com.br/desvalorizacao-historica/ Acesso em 15.10.2018.

NÓVIA, António. O passado e o presente dos professores. In: Nóvoa, António Profissão Professor. Porto: Porto Editora, 1995.

SOUSA, Rainer. O professor ao longo do tempo. Disponível em:https://historiadomundo.uol.com.br/curiosidades/o-professor-ao-longo-do-tempo.htm Acesso em 15.10.2018.

SOUZA, Maria Verônica de. Profissão Docente: História, Condições de Trabalho e Questão Salarial. Disponível em:  http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/midia/seminario6/arqs/Trab_completos_politicas_educacionais/Profissao_docente_historia_condicoes_trabalho.pdf Acesso em 15.10.2018.

XAVIER, Libânia N. A construção social e histórica da profissão docente . Uma síntese necessária. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v19n59/02.pdf Acesso em 15.10.2018.


[1] Teresa de Ávila também conhecida como Santa Teresa de Jesus (1515-1582) nascida Teresa Sánchez de Cepeda y Ahumada foi freira carmelita, mística e santa católica do século XVI, relevante por suas obras sobre a vida contemplativa e espiritual e por sua atuação durante a Contrarreforma. Foi também uma das reformadoras da Ordem Carmelita e é considerada cofundadora da Ordem das Carmelitas Descalças, juntamente com São João da Cruz.

[2] No Brasil, com chegada da Família Real em 1808, teve início a conquista dos nativos que habitavam a colônia, e só mesmo uma educação humanística dirigida para o espiritual poderia ser inserida e capaz de prover a domesticação e instauração de cultura do colonizador que acreditavam ser neutra. Por isso que os portugueses trouxeram também membros da Companhia de Jesus com a finalidade de converter os indígenas ao cristianismo e propagar a fé católica, além de ensinar aos nativos os saberes básicos, como ler e contar, pois, a alfabetização era o caminho mais adequado a esse fim.

[3] Em Educação, não avançar já é retroceder.”

[4] O pesquisador português António Nóvoa propôs conceito de profissão de docente que articula quatro processos imbricados. Lembrando que o processo de profissionalização envolve primeiramente a prática de determinada atividade em tempo integral ou, ao menos, enquanto ocupação principal, e a partir do momento de certo domínio social que é ocupado por conjunto de indivíduos que lhe consagram maior parte de seu tempo de trabalho, buscando sua subsistência. Destacou igualmente a importância da criação pelas autoridades públicas ou estatais, de um suporte legal para o exercício da atividade, sob forma, por exemplo, de uma licença ou diploma.

[5] A Escola Nova também chamada de Escola Ativa ou Escola Progressiva foi movimento de renovação do ensino, que surgiu no final do século XIX e ganhou força na primeira metade do século XX. O movimento ganhou impulso na década de 1930, após a divulgação do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova em 1932. Defendia-se a universalização da escola pública, laica e gratuita, entre os signatários são: Anísio Teixeira, Fernando Azevedo, Lourenço Filho, Cecília Meireles e Armanda Álvaro Alberto.

[6] John Dewey (1859-1952) Elaborou projetos envolvendo democracia e liberdade – Escola Nova, social coletivo. Behaviorista e funcionalista, pragmatismo, humanista progressista. Ação-reflexão-experiência; educação para a vida e sociedade mais justa e igualitária. Cognitivista: Situação problema, análise, incubação, insight, verificação, educação pela ação (experiência), propiciar as crianças condições para resolver por si própria seus problemas, conteúdos significados. Contra: muito conservador. Não questionam a sociedade e seus valores, conservadores.

[7] Friedrich Fröebel (1782-1852) Verdade, justiça. Liberdade, responsabilidade, iniciativa, Importância da criança, estimulo, direção. Jardim da Infância. Escola aprender para a vida. Trabalha canto, gesto e linguagem, trabalhos artesanais.

[8] Termo "educação infantil" se refere a uma etapa da educação básica destinada ao processo inicial de socialização das crianças que vai até os cinco anos de idade. Tal atividade é realizada em instituições educativas especializadas conhecidas com várias denominações tais como: jardim da infância, maternal, creches ou pré-escola.


 

Como referenciar este conteúdo

LEITE, Gisele. Feliz dia do professor. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 16 Out. 2018. Disponível em: www.investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-constitucional/337009-feliz-dia-do-professor. Acesso em: 18 Nov. 2018

 

ENVIE SEU ARTIGO